Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação
Sociedade

Catumbela e Lobito alargam acesso gratuito à Internet


Os municípios da Catumbela e do Lobito, província de Benguela, contam desde segunda-feira, 10, com mais três pontos de acesso gratuito à Internet em banda larga, através da rede "Wi-fi", visando alargar esta ferramenta digital à população, no âmbito do projecto "Angola Online".



O serviço gratuito, que entrou em funcionamento em locais públicos das duas localidades, com primazia para os institutos médios de Administração e Gestão (IMAG) e Politécnico (IMP), aumentou para oito o número de pontos da rede “Wi-fi” já instalados, desde 2018, na província, entre os quais dois em Benguela (sede), igual número na Catumbela e quatro no Lobito.



Outra novidade foi a inauguração, também por parte do ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, José Carvalho da Rocha, de dois Centros “Ngola Digital – Tecnologia para Todos”, no instituto de Administração e Gestão, da Catumbela, e no Politécnico, do Lobito, possibilitando aos estudantes realizarem, de forma gratuita, uma pesquisa escolar.



Com efeito, o governante entregou um kit composto por 31 computadores destinados a equipar os referidos centros multimédia que já são uma realidade nas duas instituições de ensino, inseridas no programa de inclusão digital.



Promover a inclusão digital dos angolanos para aumentar o acesso ao conhecimento é o objectivo principal do serviço “Angola Online”, um projecto executado pelo Instituto Nacional de Fomento da Sociedade da Informação (INFOSI), órgão público subordinado ao Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação.



Ao falar à imprensa, no Lobito, momentos após à inauguração, o ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, José Carvalho da Rocha, diz ter sido dado mais um passo em frente no sentido da massificação das tecnologias de informação e comunicação (TIC) no País.



Com as províncias da Lunda Norte e do Zaíre em agenda, o ministro promete continuar a trabalhar no sentido de levar o serviço de Internet gratuito a vários pontos para que os jovens utilizadores e aquelas comunidades próximas dos pontos com sinal de Internet possam ter acesso à informação.



Esta iniciativa do Executivo foi lançada em 2013, inicialmente com a previsão de cobrir todo o país em sete anos com o apoio das operadoras de Telecomunicações Angola Telecom e UNITEL. Nesse sentido, cada capital provincial e município deveria ter, no mínimo, 15 pontos de acesso à Internet, através da rede Wi-Fi.



Com um alcance de 300 metros de distância, cada ponto de acesso pode suportar 60 dispositivos em simultâneo, por cada duas horas num dia, de modo a facilitar a entrada de outros utilizadores à rede.